O NÚMERO DA TOTALIDADE, DA CONSCIÊNCIA E DA VONTADE TAMBÉM É O NÚMERO DE FILHOS DE JULYANA MENDES. LINDA, ATIVA E ORGANIZADA, AINDA TEM UM CORPO DE FAZER INVEJA A QUALQUER MODELO

Julyana Mendes - Mão de Sete
FOTOGRAFIA DEMIAN GOLOVATY / STYLING MURILO MAHLER
Julyana Mendes - Mão de Sete

Engajada e com conteúdo, passa o dia com a cabeça borbulhando de tantas ideias. Digital Influencer das boas, a hashtag #mãedesete é a preferida de quem adora acompanhar a sua movimentada vida, tudo isto dividido com um filho adolescente e os outros seis ainda na fase da infância.

Julyana é engenheira civil por formação e sempre trabalhou. Talvez por isso, tenha levado tão a sério o seu @maedesete, perfil que virou um projeto incrível, em que mostra seu lado mãe, sua rotina atri- bulada com os sete e levanta questões importantes sobre a criação dos filhos e do empoderamento feminino e materno.

Julyana não tem estratégia; ela é quem é e está sempre em busca de bons profissionais para serem parceiros nos temas que levanta em suas mídias sociais, já que essa é uma de suas preo- cupações: passar conteúdo para aque- les que a acompanham.

Além dos assuntos relacionados às crianças, ela faz questão de mostrar que as mulheres não podem se esque- cer de si próprias e as ajuda a continuar mulher, mesmo depois da maternidade.

Acompanhá-la pelo Instagram @maede- sete é diversão e aprimoramento na certa. A família, além de linda, tem toda uma roti- na que prova que é possível ter uma rotina organizada e ainda ter tempo para deixar a vida com muito mais bem-estar.

Revista Profashional: Engenheira, em- presária, esposa, filha e mãe. Qual é o papel mais difícil de tocar diariamente? Julyana Mendes: Com certeza, o de mãe! Porque tenho total noção da responsabili- dade que é criar filhos. Atuar na formação de valores, na rotina do dia a dia, no aten- dimento a demandas emocionais, escola- res, de saúde, etc. Tudo acaba recaindo, na grande maioria das vezes, na mãe. En- tão para mim, é a tarefa mais difícil, mas a mais bonita e recompensadora também.

R.P.: Assistindo a você nos seus vídeos, você nos passa uma segurança, mas imagino que, no dia a dia, não seja sem- pre assim, né?

J.M.: A minha segurança vem da experi- ência e de uma maturidade que me fez entender que não tem de ser perfeito. Mas isso não quer dizer que as insegu- ranças não aparecem, que eu não erro, estresso ou grito. Acontece isso aí tudo, até porque uma coisa que não existe na vida de uma mãe é rotina. Existem planejamentos, rotina de atividades, de deve- res, mas rotina de assuntos, demandas, sentimentos, isto nunca. A gente está sempre precisando encontrar uma ma- neira de lidar com o que acontece.

R.P.: Você faz muito sucesso com seu Instagram. Há alguma estratégia?
J.M.: O que eu procuro fazer com o Instagram é estar sempre postando, porque as pessoas que estão me seguindo querem ler e ver a rotina. Então, uma das estratégias para que o Instagram esteja sempre rodando e com grande visibilidade, é postar duas fotos por dia no mínimo. Eu não ensaio nada, não planejo nada, apenas encaixo alguma coisa que aconteceu na minha rotina, pois sendo mãe de sete filhos, sempre acontece alguma coisa interessante e encontro uma maneira real de passar isto e também de forma educativa. Procuro inspirar.

R.P.: Como é a vida de digital influencer? J.M.: Meu maior cuidado é em ser 100% real; os seguidores já sabem quando a di- gital influencer está comprada ou está ali apenas para poder vender uma marca. A minha vida de digital influencer tem sido cansativa pelo tamanho da responsabili- dade. É extremamente prazerosa, é muito emocionante ler as mensagens das segui- doras, mas é um trabalho que leva tem- po, esforço e também conhecimento. Eu me respaldo com grandes profissionais, nutricionistas, psicólogos, endócrinos, pe- diatras, estou sempre procurando alguém que me respalde para falar sobre assun- tos específicos. Isso leva tempo e gera desgaste, me divido entre isso, sete filhos e meu marido. Mas eu adoro!

R.P.: O que faz quando bate a vontade de “sumir”?
J.M.: Se percebo que meu nível de stress está muito alto, eu me afasto por alguns minutos. Aprendi que stress ali- menta stress. Então saio do lugar, piso na grama, tento respirar. Ou então choro. Alivia muito chorar.

R.P.: Como você se cuida? Você se co- bra muito?

J.M.: Eu me cobro, sim. Quando não es- tou bem comigo, tudo fica ruim. Apren- di a me colocar na lista de prioridades. Exercícios, eu faço 3 a 4 vezes por se- mana. Mas sempre me alimento seguin- do orientação de nutricionista. Passo vontade, muita! Fome? Nenhuma.

R.P.: Costuma fazer algum tratamento estético? O que acha disso?
J.M.: A única cirurgia estética que fiz foi colocar próteses no seio há 14 anos. E raramente encontro tempo para buscar tratamentos estéticos para o corpo. Mas cuido do rosto pe- riodicamente. Acho que tudo na vida tem de vir com equilí- brio. Gostar de você e se cuidar tem a ver com saúde, não com idealizações.

R.P.: E na hora em que você precisa de um tempo só para vocês? Consegue? Como e o que te relaxa?
J.M.: Consigo porque tenho o que chamo de rede de apoio. Eu vou para a academia e organizo as coisas da casa, do Mãe de Sete, pela manhã quando todos estão na escola. E para sair com meu marido, conto com avós, tias, dindas... Relaxo quando saio para conversar com amigas, quando saio com marido, quando estou cuidando de mim. Mas são momentos raros, confesso.

Julyana Mendes - Mão de Sete
FOTOGRAFIA DEMIAN GOLOVATY / STYLING MURILO MAHLER
Julyana Mendes - Mão de Sete

R.P.: Sobre o seu projeto “Empoderamento de Mães”, ele é independente do Projeto “Mãe de Sete”?
J.M.: O Projeto Empoderamento de Mães é um produto do Mãe de Sete. O Projeto Mãe de Sete é maior, fala da mater- nidade como um todo. Então, dentro dele, tenho um projeto que ajuda mães com filhos com TDAH junto com uma psico- pedagoga; outro para falar de APLV (que é Alergia à Proteína do Leite da Vaca) que é em conjunto com uma pediatra; outro que chamo de Mãe de Sete Viaja, enfim, o Projeto Mãe de Sete tem palestras e projetos que falam de vários desafios maternos. Mas especificamente o Empoderando de Mães, que foi lançado em maio, é para convidar essa mãe a olhar para dentro. Nós mães estamos acostumadas a amar para fora: filhos, marido, casa... mas, muitas vezes, esquecemos que se não estivermos bem com a gente mesmo, nada dará certo, estará sempre faltando algo. E essa é a ideia do Projeto: se conheça, se cuide, lute para ter um momento seu.

R.P.: Para finalizar, o que está faltando para que de fato haja um empoderamento feminino e maternal?
J.M.: Acho que autoconhecimento e menos julgamento. Percebe que muitas vezes somos nós mães que julgamos as outras? A que dá leite, a que dá chocolate, a que não dá glúten. Quando pararmos de apontar o dedo para a vida do outro, as coisas serão mais leves. Mas cabe à mulher come- çar a se conhecer a tal ponto que a escolha feita, foi feita e a opinião do outro não me afeta tanto, entende? Isso é se amar, se conhecer e decidir.

R.P.: E para uma Mãe de Sete, o que é ser Profashional? J.M.: É ser diferente daquilo que se espera. É fazer diferente e inspirar a fazer diferente. É ser feliz do jeito que a gente é e ser positiva de maneira surpreendente, sempre! 

FOTOGRAFIA: DEMIAN GOLOVATY / STYLING MURILO MAHLER

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.