Tamanho do texto

O vestido talvez seja uma das peças mais complexas da história da moda

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

As variações de cor, tecido, comprimento, caimento, silhueta... são incontáveis, e ao longo desses séculos as mudanças foram tantas, que hoje existe uma infinidade de modelos e estilos, cada um com uma história e uma personalidade diferente.

 Gosto de dizer que para que possamos entender o presente, devemos analisar o passado. E na moda, isso é imperativo. O primeiro vestido, era na verdade uma túnica e foi feito na Antiguidade. Com o decorrer dos anos, ele ganhou diversos sentidos e significações, já tendo sido considerado símbolo de ostentação e luxo, por exemplo. Hoje ele é opção para diversas situações do nosso dia a dia, podendo ser usados em vários cenários do nosso cotidiano.

 Marnie Fogg , é a autora do livro “ Vestidos Eternos ”, que ilustra perfeitamente a importância dos vestidos no mundo da moda e, portanto, será a #LeiturasObrigatórias de hoje! Marnie traz 100 referências e modelos que englobam vestidos, cores, estilos, linhas, estampas e movimentos.

 Além de contar a história e o contexto social no qual determinada referência foi desenvolvida, ela faz a todo tempo um paralelo com peças e estilistas da atualidade, pontuando de que forma tais peças influenciaram a moda anos e até séculos depois de terem sido criadas. A autora também nos mostra como uma mesma peça, consegue inspirar e resultar diversas interpretações.

 Como se todos esses motivos já não fossem suficientes para fazer com que você queira aprender mais sobre vestidos e ler esse livro, separei algumas das minhas passagens preferidas dele:

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

Estampa toile de Jouy . Nascida na França napoleônica, ela é geralmente caracterizada por uma representação monocromática de uma cena pastoril. Séculos depois a estampa ainda está presente no cenário da moda e já passou por diversas releituras como é o caso de Guillaume Henry ( imagem da esquerda ), no qual as imagens pastoris europeias foram substituídas por girafas e tigres, de forma a retratar um safári africano.

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

Xadrez escocês ou tartã. O tecido, inicialmente usado como forma de distinguir classes sociais e associado à história política turbulenta da Escócia, serviu de inspiração diversas vezes para Alexander McQueen que o reinventou para diversas coleções. O estilista é um exemplo de como a história pode ser usada como inspiração para a moda e como determinados tecidos, estampas ou peças de roupas podem inspirar novos modelos.

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

A linha império é caracterizada pela linha alongada com cintura alta e silhueta colunar. Popularizado pela imperatriz Josefina , o modelo teve versões que fizeram sucesso entre 1780 e 1820, tendo também havido releituras que remetiam ao charme da década de 1960.

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

Christian Dior se consagrou com uma das coleções mais icônicas do último século, a Corolla em 1947, na qual ele apresentava um estilo com perfil ampulheta que popularizou e ficou mundialmente e eternamente conhecido como New Look. Com a ida dos homens para guerra, em 1930, as mulheres tiverem de ocupar posições e profissões antes realizadas por eles, de forma que o estilo masculino acabou sendo utilizado pelas mulheres, que passaram a usar roupas masculinizadas, mais confortáveis e práticas e que remetiam uma moda mais utilitária. Depois da guerra, Dior desejava devolver a feminilidade às mulheres, o que o motivou a desenvolver a Corolla e assim a silhueta New Look.

VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias
Divulgação
VESTIDOS ETERNOS #LeiturasObrigatórias

O little black dress é sem dúvidas um dos vestidos mais clássicos e atemporais de todos os tempos. A invenção de Coco Chanel em 1926 foi considerada inovadora e deu novos rumos ao mundo da moda. O preto, associado a mulheres mais velhas e ao luto, passou a ser utilizado por meninas mais jovens, durante o dia e para diversas ocasiões e o comprimento da saia foi encurtado chegando a até cinco centímetros acima do joelho, trazendo mais facilidade e praticidade para as mulheres, pilares essenciais e recorrentes no estilo de Chanel .

Se você se interessou por esses vestidos e referências, saiba que a autora também analisa o vestido de noiva, o vestido egípcio, o espartilho, a crinolina, o robe de style, o estilo cigano e a estampa de poá!  

 Sem contar que entender a história dessas peças e referências é de extrema importância para compreender a moda atual e o exercício de releitura e resgate de modelos passados que vemos tão fortemente sendo realizados nos dias de hoje. Então se como eu, você ama livros de moda, vestidos e imagens maravilhosas que dão um toque especial, esse livro é perfeito para você!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.