Tamanho do texto

Todo o dia acordamos e temos uma decisão a tomar: o que vamos vestir

MODA INTUITIVA De Cris Guerra.
Divulgação
MODA INTUITIVA De Cris Guerra.

Muitas pessoas não se dão conta da importância que ela tem, mas o jeito que nos vestimos é nada menos que a forma como nos vemos e como vamos nos apresentar para os outros. É também uma forma de transmissão do nosso estado de espirito. E isso, nada mais é que o reflexo da nossa autoestima.

 Cris Guerra é autora do livro  “Moda Intuitiva”  que hoje será analisado pela #LeiturasObrigatórias . No livro, ela trata a moda e a autoestima como companheiras que andam lado a lado. Enfatizando a enorme importância de além de usarmos a moda como forma de aumentarmos nossa autoestima, também a de termos o nosso próprio estilo e particularidades.

  Cris defende a todo tempo a celebração da nossa própria individualidade. É extremamente importante e especial reconhecer aquilo que nos faz tão únicos e singulares. Ir de encontro com quem somos é uma tarefa bastante difícil, mas temos à nossa disposição uma ferramenta muito eficaz: a moda. A moda não existe para ditar regras e restringir aquilo que podemos ou queremos ser. Muito pelo contrário, a sua pluralidade existe devidamente para que possamos escolher aquilo que faz sentido e se encaixa para nós.

 Mas ao mesmo tempo em que atua como facilitadora em nossas vidas, a moda, se não usada com cautela, pode virar uma armadilha e nos atrapalhar frente ao encontro de quem somos. E para exemplificar isso Cris defende que há duas formas de se relacionar com ela: pode ser como a devoção de um fã por seu ídolo, “tudo o que ela dita eu sigo” , nos tornando reprodutores de tendências e comportamentos. Ou pode ser uma boa amizade, com trocas equilibradas, na qual aprendemos a questionar, a criar, a mudar, a sugerir... E disso fica a escolha: podemos seguir a moda ou podemos fazer a moda.

  Além de compartilhar suas peças clássicas preferidas e trazer informações sobre as cores, por exemplo, a autora também apresenta seus maiores ícones, dá dicas de estilo, de organização e de compras conscientes, mas garante: a ideia não é fazer com que o leitor as siga à risca e as leve como regras absolutas, mas sim inspirar cada um a descobrir seu próprio estilo e fazer do ato de se vestir um “encontro com você mesmo” , de forma natural, particular e intuitiva.

  Tudo que precisamos saber sobre quem somos e sobre nosso estilo, está dentro de nós. Só precisamos olhar e prestar atenção. E entender de uma vez por todas, que as roupas são a forma mais direta de expressarmos nossa identidade, e que a moda é uma ferramenta que, se bem usada, pode nos ajudar na busca pelo autoconhecimento e pela tão almejada boa autoestima.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.