Tamanho do texto

A moda consciente de Pyer Moss, destaque da NYFW

Stop Calling 911 On The Culture.
Divulgação
Stop Calling 911 On The Culture.

Você conhece a Pyer Moss? A marca foi fundada em 2013 por Kerby Jean-Raymond, que a descreve como um “projeto de arte” ou “um experimento social oportuno”. Com o intuito de usar sua voz e plataforma para desafiar as narrativas sociais e evocar o diálogo, a label continua a se redefinir a cada temporada com coleções que combinam narrativa, ativismo, debate, teatro e questões sociais!

A Semana de Moda de Nova Iorque está a todo vapor, e nós estamos de olho nos grandes desfiles que vêm movimentando o fashion world! É incrível poder acompanhar as marcas que mais amamos desfilando coleções maravilhosas e ver as modelos desfilando os designs mais sensacionais!

Mas já parou para pensar quantas outras marcas, menos conhecidas mas não menos importantes, também tiveram vez na fashion week? E mais que isso. Que usaram seu espaço para tratar de temas sociais de extrema importância?

Esse foi o caso da marca Pyer Moss que no seu último desfile de primavera 2019, mais uma vez continuou sua exploração sobre o que significa ser negro nos Estados Unidos. O designer usou seu espaço e voz para poder tratar do tema bastante importante e recorrente: “Nossa esperança é continuar a desafiar as narrativas tradicionais de grupos minoritários, contar histórias empolgantes com o nosso trabalho e encorajar a inclusão”, disse o estilista ao site Refinery 29.

See Us Now?
Divulgação
See Us Now?

Com um cast composto 100% por modelos negros, a coleção intitulada “American, Also. Lesson 2” (a Lesson 1 foi lançada em fevereiro), Kerby criou “um mundo desprovido da angústia do racismo e imaginou como seria a vida dos negros americanos caso eles não tivessem sido molestados”, como foi descrito no release da marca.

Ao som de um coral gospel que cantou “Heaven is 10 Zillion Light Years Away”, de Stevie Wonder, entre outras músicas, muitas peças da coleção tinham mensagens diretas sobre a experiência de ser negro, como as faixas em que se podia ler “See Us Now” e “Stop Calling 911 On The Culture”.

Vale mencionar também as 10 pinturas criadas pelo artista de NY Derrick Adams que mostravam o cotidiano de famílias negras: uma dama de honra em um casamento, um abraço entre pai e filho e um homem segurando seu bebê no colo.

A recepção da crítica exaltou todo o trabalho do designer com ótimos feedbacks da Vogue, Fashionista, Highsnobiety, WWD e The Washington Post. Vanessa Friedman do New York Times assim descreveu o desfile: “... em nenhum outro lugar uma mensagem tão elegante foi cuidadosamente transmitida como em Pyer Moss, onde Kerby Jean-Raymond está discretamente esculpindo uma carreira com a consciência da comunidade da moda”.

Pintura criada pelo artista de NY Derrick Adams retratando o cotidiano de famílias negras.
Divulgação
Pintura criada pelo artista de NY Derrick Adams retratando o cotidiano de famílias negras.

Sim, nós amamos acompanhar os desfiles e se encantar com tantos designs incríveis! Mas é também muito bacana (e necessário!) que mais marcas usem sua visibilidade para tratar de questões tão importantes como nesse caso. Por mais desfiles assim!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.