Tamanho do texto

Ser magra continua sendo o sonho de muitas mulheres, mas há quem assuma os quilos a mais sem nenhum problema

Beleza em todos os padrões
Divulgação
Beleza em todos os padrões

Ser GG está na moda? não exatamente, já que o mundo fashion ainda venera as medidas enxutas. mas o que antes parecia impossível, agora começa acontecer: mulheres mais fartas ganham destaque da mídia e são consideradas também padrão de beleza. e por que não deveriam? Um exemplo mais recente: a cantora inglesa adele. talentosa e com uma voz magnífica, a moça é linda, linda mesmo. e não se importa em exibir uns quilinhos a mais. em uma declaração, ela confessou que seu interesse é ser capa da revista “rolling stones” e não da “playboy”. outra que não se importa nem um pouco com seu manequim GG é a cantora Beth Ditto, vocalista da banda Gossip. tanto que até já posou nua para a capa de uma revista, mesmo com todas as gordurinhas extras.

Brasileira com curvas

Se Gisele Bündchen é conhecida como ícone das übermodels manequim 38 (se for menos, melhor), outra brasileira faz sucesso, mas com todas as curvas a que tem direito. Fluvia lacerda. a carioca que se mudou para nova York há 13 anos, foi descoberta por uma editora de revista de moda em um ônibus em manhattan e desde então não parou de fotografar. ela é a única brasileira a trabalhar como modelo plus size no exterior e faz parte do casting
da Ford models eUa. atualmente, é um dos rostos mais procurados pela indústria da moda GG e já trabalhou para marcas, como Kmart, Biluzik, tórrid e iGiGi, foi capa de revistas, como latina magazine e Glamour e a principal modelo no calendário americano curves, que teve toda a renda voltada a instituições de pessoas com distúrbios alimentares. em 2011, foi eleita a modelo do ano durante a semana de moda plus size de nova York e por três vezes consecutivas foi estrela de ensaios fotográficos da vogue itália. no Brasil, até existe um movimento para aumentar a participação de modelos plus size no mundo da moda e, claro, oferecer às mulheres com manequim acima do 44 roupas que não pareçam sacos de batatas estilizados. o Fashion Weekend plus size, que ocorre duas vezes por ano em são paulo, reúne desfiles de marcas que mostram de tudo um pouco: roupas para o dia a dia, festa, moda praia, lingerie e acessórios. só para quem é GG, claro. a democratização da beleza não ocorre de um dia para o outro, mas esse é um movimento que tem tudo para ficar. afinal, a beleza existe em todo lugar, nos olhos de quem a vê e sente. e muitas mulheres já perceberam isso. lembrando que não existe nenhuma apologia à gordura que prejudica a saúde. ser saudável, é fundamental (mesmo porque, há pessoas magras que também sofrem com colesterol alto, pressão alta, alimentação nada balanceada...). o importante é se aceitar!

Cansei de não ser sexy

Então, o importante é se aceitar. eu, particularmente, admiro muito quem consegue ser feliz com seus quilos a mais. vivo em uma balança bamba: ora estou nem aí com as gorduras que formam um muffin ao redor da minha calça, muitas vezes odeio olhar para o espelho. a verdade é que quem nasceu com tendência a engordar encontra uma enorme dificuldade para se manter dentro dos padrões impostos pela sociedade. não estou falando de quem precisa perder apenas dois quilos que acumulou na ceia do natal. são muitos quilos a serem eliminados.

Fazer dieta para o resto da vida (isso significa “adeus prazeres da mesa”) e nunca mais abandonar a academia podem ser uma solução. mas basta um momento de hesitação, um ataque à geladeira, um mês sem fazer exercício físico, que todo o esforço se transforma em centímetros a mais ao redor da cintura (coxa, quadril, braço etc.). Já fiz todas as dietas possíveis, já fiz muito exercício na vida e o resultado é que continuo uma gordinha não lá muito feliz. Frases como “já posso ser convocada para a seleção japonesa de sumô”, “blusa GG vira baby look em mim”, “na próxima festa à fantasia, vou de Free Willy” fazem parte do meu cotidiano. a questão é: um dia ainda quero olhar para o espelho (e não fugir dele) e me aceitar. Quero fazer parte de todo o movimento das belas gordinhas que fazem sucesso por aí. será que eu consigo?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.